quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

George Reeves, o Super-Homem da TV da Década de 1950.


No dia 16 de junho de 1959, o mundo ficou chocado com a morte trágica do ator George Reeves, o intérprete do Super-Homem da televisão na década de 1950.  Sua morte até hoje é um grosso mistério, que já rendeu livros, documentários, e até mesmo um filme. Contudo, crianças que vivenciaram a série de Tv estrelada pelo homenageado de hoje jamais se esqueceram dele, pois ele tinha brilho e carisma suficiente para conquista-las.  Vamos falar um pouco sobre GEORGE REEVES.


George Reeves nasceu a 5 de janeiro de 1914, e seu verdadeiro nome era George Keefer Brewer em Woolstock, Iowa, Estados Unidos, cuja filiação são Don e Helen Lescher Brewer.


Reeves foi crescendo acreditando que sua data de nascimento era em 5 de abril de 1914, mas sua mãe mentiu para ele, já que isto colocaria seu nascimento, nove meses depois de seu casamento. George não descobriu isso até que ele ficasse adulto. Para criar uma confusão maior ainda, sua mãe cometeu um erro em seus dados quando no enterro do ator indicando a data de nascimento como 6 de janeiro em sua pedra tumular, em vez de 5 de janeiro.

Seus pais se divorciaram quando ele era adolescente, e ele foi adotado por seu padrasto, tendo por isso o sobrenome "Bessolo". George foi criado em Pasadena, Califórnia (EUA), e estudou no Junior College Passadena.


Ele se destacou na escola como pugilista amador e músico hábil, sendo que começou sua carreira de ator na Pasadena Playhouse, onde foi descoberto por "caçadores de talento" de Hollywood.


Seu primeiro filme foi Ride, Cowboy Ride, (1939), embora seja no papel de Stuart Tarleton, um dos pretendentes de Scarlet O'Hara  em E o Vento Levou (1939), que ele é mais lembrado em seu início de carreira no cinema. Nos dez anos seguintes, assinou contrato com os estúdios da Warner Brothers, 20ª Century Fox e Paramount.

Casou-se com Ellanora Needles em 1940, permanecendo casado com ela até 1950. O casal não teve filhos.


Reeves teve uma sequência de trabalhos estáveis no período de 1939 à 1943, aparecendo em mais de 40 filmes. Em 1943, quando já conseguia fazer seu nome no estrelato, Reeves foi convocado para o serviço de guerra durante a II Guerra Mundial, tendo que interromper, temporariamente, sua carreira.  Ingressou na Força Aérea Americana, e lá participou de diversos filmes de treinamentos de guerra, chegando ao posto de sargento. Ele também fez uma aparição na tela durante a guerra, no papel do tenente Thompson no filme patrocinado pelo Exército Americano Encontro nos Céus (1944), além de A Legião Branca, (1943), com Claudete Colbert.



Com o fim da Guerra, Reeves voltou a Hollywood, mas sua carreira nunca mais chegou ao mesmo nível de antes. As dificuldades de se auto-afirmar na carreira de ator o fizeram conduzir para Nova York, para participar de programas de televisão ao vivo (não havia naquela ocasião ainda o vídeo tape). Em 1948, Reeves, participou em Jim das Selvas, primeiro filme da série cinematográfica protagonizada por Johnny Weissmuller (1904-1984) e que pouco depois renderia também uma série de TV.





Em 1949, George Reeves teve uma participação no clássico bíblico de Cecil B. DeMille (1881-1959) Sansão e Dalila, interpretando um mensageiro ferido. Aliás, Reeves foi colega de escola de Victor Mature, o protagonista do filme. No mesmo ano também, foi o astro de um seriado de cinema de 15 capítulos intitulado Cavaleiros do Rei Arthur (ou Aventuras de Sir Galahad), dirigido pelo Master dos antigos seriados Spencer Gordon Bennet (1893–1987), que também dirigiu e produziu os dois primeiros filmes do Superman para o cinema: Superman (1948) e Superman contra os Homens Átomos (1950), estes estrelados por Kirk Alyn (1910-1999) no papel do Homem de Aço.


 Em Hollywood, continuou fazendo filmes, até que, em 1951, estrelou no papel-título do filme Super-Homem e os Homens Toupeira.


Devido ao sucesso de seu papel nesse filme lhe foi oferecido o papel-título na série de televisão As Aventuras do Superman (1952-1957), a qual foi transmitida no Brasil nas décadas de 1960 e 1970, ficando bastante conhecida pelo publico brasileiro.


Em 1952, Reeves participou de um grande clássico dirigido pelo lendário Fritz Lang (1890-1976), o western Diabo Feito Mulher (Rancho Notorius), contracenando com Marlene Dietrich, Arthur Kennedy, e Mel Ferrer.



Foi justamente na televisão que George conseguiu definitivamente a fama que quase havia conseguido no cinema, porque foi escolhido para interpretar o fabuloso Homem de Aço das histórias em quadrinhos para a série de TV do Super-Herói da DC Comics, criado em 1938 por Jerry Siegel (1914-1996) e Joe Shuster (1914-1992). Na época da série de TV estrelada por Reeves, os criadores do herói não tiveram creditados seus nomes como autores, já que haviam vendido os direitos do personagem para a DC. Para saber mais sobre Super-Homem, acesse o artigo Super-Homem: O Homem de Aço no Cinema e na TV através dos Tempos, publicado em julho do ano passado.


Reeves lembrava muito os traços executados por desenhistas de quadrinhos do super-herói da década de 1940/50, sobretudo por causa de um leve topete pega-rapaz, e um queixo voluntarioso.


Conseguiu alguns papéis menores em outros filmes clássicos do cinema durante o percorrer da série de TV, como A um Passo da Eternidade, de Fred Zinnemann, em 1953, com Burt Lancaster. Reeves interpretava um sargento que confidenciava ao amigo, o Sargento Milton Warden (Lancaster), que havia sido amante de Karen Holmes (Deborah Kerr), esposa de um capitão e interesse amoroso de Warden.


George Reeves alcançou fama e dinheiro (na época ele ganhava 2.500 dólares por semana). O sucesso era principalmente com as mulheres e crianças. Curiosamente, segundo sua biografia, ele evitava contato com as crianças, porque elas sempre queriam partir para a agressão com a ideia de testar a “invulnerabilidade” do ator. Em um dos eventos em que ele era convidado a se apresentar como Superman, uma criança chegou a ir armada (havia pego a arma do pai, um policial) e ameaçou atirar em Reeves, mas felizmente, este convenceu o menino, assustado, a lhe dar a arma. Mas fora isso os únicos trabalhos que ele conseguia eram comerciais de cereais ou então apresentações de luta-livre. A série de televisão durou até 1957.


Inicialmente, ele foi relutante em assumir o papel de Superman, acreditando que teria mais sucesso como ator, atuando em filmes para o cinema. Só que Reeves ficou surpreso quando o papel se tornou um hit nacional, fazendo sucesso nos Estados Unidos.



Era visto com a roupa de Super-Homem visitando hospitais e dando atenção a crianças vitimadas de câncer. Na Televisão americana, já naquela época havia programas assistencialistas como "A Cidade da Esperança" e "Telethons", e Reeves fazia questão de participar como o Super-Homem. Também participou ainda na TV como convidado especial no seriado I Love Lucy, estrelada por Lucille Ball (1911-1989).


Após o fim da série, Reeves conseguiu alguns papéis em filmes para cinema e televisão, mas havia ficado estigmatizado como Superman, papel que representou durante 5 anos. Devido à isso, os convites para atuação em novos trabalhos diminuíram. Embora Reeves estivesse deprimido por ser estereotipado como Superman, ele levou as características do personagem a sério, mantendo o exemplo do "Super Homem" para as crianças, como deixando de fumar e aparecer com namoradas perto das crianças.


Nas primeiras horas da manhã de 16 de junho de 1959, três dias antes de seu casamento com Lenore Lemmon (1923-1989), um tiro foi ouvido em sua casa localizada em sua casa, sendo que em seguida George Reeves foi descoberto morto com um tiro na cabeça.

Como resultado do inquérito e investigação policial, foi declarado que George Reeves havia se suicidado, no entanto, desde a sua morte, a informação adicional faz com que muitos acreditem que ele foi assassinado.


Reeves aparentemente teve um caso de longo prazo com Toni Lanier (1906-1983), uma ex-showgirl e esposa do executivo da MGM, Eddie Mannix (1891-1963). Ela era conhecida por sua beleza e apetite sexual lendário, e, aparentemente, o caso teve a aprovação de seu marido, que tinha uma amante.


Cinco meses antes, como Reeves estava para se casar com Lenore Lemmon, ele rompeu o romance com Toni, que a deixou de coração partido. Toni permaneceria dedicada à memória de Reeves para o resto de sua vida.

Sua vida é discutida em detalhes em dois livros, Superman: Serial to Cereal (1976) por Gary Grossman, e Hollywood Kryptonite (1996) por Sam Kashner e Schoenberger Nancy.


A vida e a morte de George Reeves foi tema do filme  Hollywoodland. Ben Affleck faz o papel de George Reeves; Diane Lane como Toni Mannix, a amante de Reeves; Bob Hoskins encarna o executivo da MGM Eddie Mannix, o marido traído de Toni; e Adrien Brody assume o detetive particular Louis Simo, que investiga a misteriosa morte do ator intérprete do Super-Homem. O longa é focado nos anos 1950 e tem direção assinada por Allen Coulter e roteiro de Paul Bernbaum.


Acima de uma investigação de morte, Hollywoodland também traz informações da conturbada vida pessoal de Reeves, que tinha muitos problemas familiares. Os grandes momentos da vida do ator, bem como sua ascensão na televisão, com a estreia da série As Aventuras de Super-Homem, também ganham espaço.


Um argumento que o diretor fez questão de manter no longa foram cenas da homônima série do Super-Homem. Apesar de ter alguns problemas com a Warner Brothers, detentora dos direitos autorais, Coulter pôde utilizar o clássico material da época. Além disso, ele reproduziu aberturas e cenas da série com o rosto de Ben Affleck.


UMA PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: Será que George Reeves realmente tirou sua própria vida com um único tiro na cabeça ou foi sua morte realizada como um plano sinistro?

Na noite em que morreu, ele teria bebido muito e discutiu abertamente com Leonore Lemmon, como testemunhado por seus amigos Bliss William, o escritor Robert Condon, e Carol Van Ronkel.


Reeves teria subido zangado para seu quarto, sendo que em seguida Lemmon e os convidados disseram ter ouvido um único tiro vindo de seu quarto. O que levantou suspeita a respeito da morte de George Reeves, é que este foi encontrado despido em sua cama por seus vizinhos, durante um pequeno recolhimento por volta das 2 horas da manhã. Os vizinhos levaram 45 minutos para chamar a polícia. Os detetives encontraram furos de balas adicionais no assoalho de sua cama, e algumas contusões foram encontradas no corpo de Reeves, e havia sinais de luta de dentro do seu quarto.

Embora considerado um suicídio, muitas pessoas se recusam a acreditar que ele se matou, pois pelo menos aparentemente, Reeves não era do tipo de alguém que cometeria suicídio. Era alegre, descontraído, e boêmio. Esse é mais um dos inúmeros mistérios que permanecem ocultos nas sombras de Hollywood.



Em seu túmulo, no Mausoléu de Pasadena, localizado no Cemitério do Mountain View, em Altadena, Califórnia, encontra-se a seguinte inscrição: Para meu querido filho, George Bessolo Reeves, o Super-Homem , homenagem feita por seu padrasto.



CONTOS DA CRIPTA
Existem relatos de que a casa onde Reeves se matou (ou teria sido morto), hoje é assombrada com ruídos inexplicáveis ​​no quarto superior (local de sua morte), surgimento de cheiro de pólvora, além de pertences e objetos que são movimentados.

Existem também relatos de que cachorros quando levados à casa, ficam latindo e recusando-se a entrar na sala, bem como luzes ficam piscando ou se apagando sem motivo algum.

Alguns até dizem que George Reeves aparece no pé da cama dos atuais proprietários de vez em quando, vestido como Superman.

Como diria o saudoso Jack Palance: It’s Believe ...or not!


Curiosidades sobre George Reeves

Pessoalmente, defendeu Noel Neill quando esta substituiu Phyllis Coates no papel de Lois Lane, na Segunda temporada da série do Super-Homem, ao vê-la sendo maltratada por um dos diretores. Também defendeu o ator Robert Shayne (1900-1992), que fazia o Inspetor de Polícia Henderson na série, que foi acusado de ser comunista durante o processo de caça as bruxas, promovido pelo Senado Americano da década de 1950, e estava com risco de perder seu emprego. O produtor da série, Whitney Ellsworth (1908-1980), também defendeu Shayne, junto com Reeves.


Fez anúncios da tevê para flocos de milho da Kellogg's durante as temporadas como o Superman, na década de 1950. Em um comercial, George, como Clark Kent, usou sua super-visão para ver através de uma parede, mostrando duas crianças, que discutiam se uma menina poderia ou não ser o Superman, mas para o fim do argumento, as crianças se apaziguaram mutuamente, e cada um comia seus flocos, enquanto Superman surge, e aí quando a câmera se vira para Reeves, este sorri e diz: Vejam, pequeninos podem discutir, mas nunca sobre flocos de milho Kellogg’s.


Embora seu traje de Superman seja acolchoado, Reeves era realmente muito atlético e fazia a maioria de suas próprias cenas de perigo sem dublê em As Aventuras do Super-Homem. Os Episódios requeriam ele saltar das alturas, simulando a aterrissagem do Super-Homem, através de um trampolim. O Dublê só era escalado para George em cenas de entortar barras ou saltar para fora das janelas.


A história de George Reeves tem pontos quase em comum com a de outro intérprete de Superman, Christopher Reeve, que além de terem interpretado o mesmo super-herói, tem sobrenomes parecidos, e também, cada um a sua maneira, um final trágico.

Dizem que George Reeves já tinha tentado o suicídio duas vezes antes do suposto que cometeu, mas isto não é certo, só existem especulações. Seu padrasto veio de fato a se matar anos depois.


Durante os intervalos das filmagens de uma temporada ou outra da série do Superman, Reeves fazia aparições como convidado em feiras ou eventos por toda Estados Unidos. Em 1958, foi escalado para aparecer no parque de Kennywood, em Pittsburgh, que era um dos parques de diversões mais badalados da América do Norte, e foi escalado para aparecer no ano seguinte, 1959. Publicidades e marketings haviam anunciado esse fato, entretanto Reeves havia cometido suicídio naquele ano, e o parque teve que recolocar outra atração para substituir a ausência de Reeves/Superman, e assim, foi escalado Guy Williams, vestido de Zorro, para substituí-lo. Todo o marketing feita em torno do Superman teve logo que ser removida, para dar ênfase a Zorro, mas ainda podiam se ver alguns outdoors do Super-Homem abaixo do anúncio de Zorro.

George Reeves, passados mais de 50 anos após sua trágica morte, jamais foi esquecido por aqueles que o acompanharam pela TV, através do Homem de Aço.

Produção e Pesquisa de Paulo Telles



FILMOGRAFIA PARCIAL
GEORGE REEVES em "SANGUE E AREIA"
1939 - Ride Cowboy, Ride
1939 - Gone with the Wind (br: E o Vento Levou)
1940 - Tear Gas Squad
1940 - Torrid Zone
1940 - Pony Express Days
1941 - The Strawberry Blonde
1941 - Blood and Sand (br: Sangue e Areia)
1942 - Blue, White and Perfect
1943 - So Proudly We Hail!
1944 - Winged Victory
1948 - Thunder in the Pines
1948 - Jungle Jim (br: Jim das Selvas)
1949 - Samson and Delilah (br: Sansão e Dalila)
1949 - The Adventures of Sir Galahad (br: As Aventuras de Sir Galahad)
1949 - The Great Lover
1952 - Rancho Notorious (br: O Diabo Feito Mulher)
1951/1958 - Adventures of Superman ("As Aventuras do Superman") - (104 episódios da série para TV)
1952 - Superman na the Mole-Men (br: Superman contra os Homens Toupeiras)
1953 - The Blue Gardenia (br: A Gardênia Azul)
1953 - From Here to Eternity (br: A Um Passo da Eternidade)
1953 - Forever Female
1956 - Westward Ho, The Wagons!

12 comentários:

  1. Caro Paulo,
    muito bom o seu trabalho de pesquisa sobre George Reeves, o super-homem da década de 1950, nos primeiros tempos da TV. Incrível como vc obtém detalhes e fotos de difícil acesso, enriquecendo muito o material apresentado. Parabéns.
    George Reeves não pode realmente ser esquecido. É preciso mostrarmos essas informações para nossos filhos e netos, para os quais o Super-Homem dos anos 70 e 80 já é antigo, para que eles possam dar o devido valor às coisas ainda mais antigas. E, por coincidência seu sobrenome era Reeve - Christopher Reeve, quase igual ao de George. Lamentável é que, como George Reeves, que teve um trágico e inexplicável fim, Christhopher Reeve também, ao sofrer uma queda de um cavalo e ficar tratraplégico, o que acabou levando-o prematuramente à morte.
    Mais uma vez, Paulo, parabéns. Achei a matéria de altíssimo nível e que eleva George Reeves a um patamar que ele mereceu por competência, numa época em que não haviam recursos de computador, ou os mágicos efeitos especiais como hoje os conhecemos. Era tudo feito com muita raça e criatividade.
    Você realmente consegue visualizar com muita felicidade o que é importante, o que deve ser lembrado e preservado.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações José!
      Muito obrigado novamente por participar e por suas palavras, que me fazem sentir enobrecido com meu trabalho. Amigo, trata-se de um trabalho de pesquisa realmente, e isto inclui as fotos que encontro na internet, mesmo em sites que nada se relacionam sobre cinema, o que de fato às vezes torna difícil acesso. Mas o dispositivo de busca sempre ajuda.

      Talvez uma das coisas que mais me impressionem, melhor dizendo, não só a mim como também para outros fãs do herói Super-Homem, é o destino trágico que os dois intérpretes mais famosos que o encarnaram tiveram em suas vidas. Chris Reeve ainda teve o privilégio de deixar um legado muito importante, que foi a pesquisa de células tronco, que ele e sua esposa (que morreu pouco depois dele, a Dana Reeve) abriram um instituto que leva o nome do ator, que vem trabalhando incessantemente em prol das vidas e das curas.

      Sobre George Reeves e sua época, é ainda mais interessante quando não se havia os recursos tecnológicos que hoje se tem. Tudo naquela época era a “lenha” e a criatividade e o improviso eram as armais mais vitais para uma produção, ainda mais a TV, que anda dava seus primeiros passos. Hoje, na minha opinião, o que temos é ao contrário: Temos material tecnológico, efeitos especiais e digitais, computação gráfica..enfim, uma série de parafernálias, mas a criatividade dos autores e produtores é zero. De que adianta?

      Por isso acho o passado, neste contexto, algo interessante, José.

      Um forte abraço e obrigado por seu parecer.

      Excluir
  2. Meu Nobre Amigo, como escrevi no facebook, pouca coisa eu sabia a respeito de GEORGE REEVES. Porém agora passei a saber muito mais, isso tudo graças a mais um excelente post de sua autoria.
    Um dos fatos é porque quando era menino eu não tinha TV, no máximo televizinho. Se bem que eu gostava mais de futebol, a minha paixão pelo cinema ainda não tinha sido despertada...Só comprei a minha primeira TV.(uma Invictus 17 polegadas), quando meus pais foram para o Interior, e eu fui morar na Casa do Estudante, situada na célebre Av. São João, 2044, mesmo assim eu assistia pouco...Era muito mais farra do que TV...Outros tempos outros ventos...
    O dublê de, pelo menos, em 5 Episódios ,foi Dale Van Sickel.
    PARABÉNS, NOBRE AMIGO, YOU ARE FAST ON THE TRIGGER!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Edivaldo, sei das dificuldades das pessoas que demoram muito a ter uma TV em suas casas, pois levou muito tempo sendo um “artigo de luxo”.

      Baseio-me pelos meus pais, que mesmo antes de eu nascer, moravam no bairro de São Cristóvão e já tinham uma TV, por volta de 1965. Em 1967, se mudaram para a Lapa, centro do Rj, trazendo esta 1ª TV, que foi trocada em 1972 (quando eu tinha dois anos de idade), e pasme, por outra televisão em Preto & Branco, já que neste ano, foi o surgimento da Tv Colorida no Brasil, e claro, eram ainda poucos que puderam adquirir esta revolução. Nossa 1ª televisão a cores só conseguimos comprar 10 anos depois, para a Copa de 1982. Logo amigo, entendo bem o que vc diz.

      Algumas destas séries que eram exibidas em preto e branco na fase da Tv preto & branca deixaram de ser reprisadas quando veio a TV colorida pra cá. Um exemplo disso, são as temporadas de VIAGEM AO FUNDO DO MAR, JAMES WEST, ZORRO & TONTO, RIN TIN TIN, PERDIDOS NO ESPAÇO, DANIEL BOONE, e o próprio AS AVENTURAS DE SUPER-HOMEM, que começaram suas temporadas em preto & branco para mais tarde se tornarem em cores, foram esquecidas na televisão aberta quando a TV a cores veio para ficar, sendo exibidas e reprisadas estas mesmas séries com suas temporadas em cores.

      PERDIDOS NO ESPAÇO, em sua penúltima e última temporada, só foram exibidas na TV Bandeirantes, ineditamente, em 1974, em cores.

      AS AVENTURAS DE SUPER- HOMEM foi relançada na TV brasileira pela Rede Globo em 1980, a partir da terceira temporada que começou a ser rodada a cores, para emplacar com o sucesso do filme então novo estrelado por Christopher Reeve no cinema. Os episódios em cores inclusive, tiveram que ser redublados, pela Herbert Richers.

      Obrigado pela informação do dublê, Eddie, e vamos todos em frente. Abraços deste editor.

      Excluir
  3. Nunca vi um capitulo sequer de seu seriado. Entretanto, creio que assisti a todos os filmes onde teve participação.

    Apenas não o conhecia e ele passou em branco em todos eles, tendo uma mais acurada lembrança dele se gabando com Lancaster sobre a Kerr em A Um Passo da Eternidade.

    Quase que não existe duvidas que este homem foi assassinado.
    Como somente ouviram um tiro se foram encontrados resquicios e marcas de outros disparos no local, sintonias de luta corporal e machucaduras no seu corpo?
    Historia mal contada ou, como no caso claro de Kennedy, existiu um complo para liquidar o homem.

    Ninguém se suicida da forma como fora encontrada sua moradia e nem ele se machucou propositalmente para parecer que ali, ao invés de seu próprio suicidio, ocorreu um assassinato.

    Preciso ver este filme do Affleck pois, além de gostar muito dos filmes deste ator, Hollywoodland me parece muito fiel a muitas passagens da vida de Reeves.

    Vou ficar atendo para quando passar na TV ou ver em alguma banca para comprar. Me parece muito interessante.

    Ademais, voltar a lamentar o destino trágico de mais um ídolo do cinema e, apesar de não te-lo conhecido mais de perto, seu fim é algo que permanece sob muitas suspeitas. Suspeitas demais!

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  4. Jurandir, eu assisti a este filme com Affleck, e te digo que é uma mistura de fatos reais, documentário e claro, como não pode de deixar de ser, um pouco de ficção. Contudo, sugiro que assista mesmo, ou alugue em sua locadora mais próxima. Tem em DVD.

    Tudo indica que foi mesmo um assassinato, e como veio de fonte graúda, a mando do marido de Toni, muito provável que comprou a todos, e inclusive, como SUGERE O FILME COM AFFLECK, que a própria mãe de George Reeves tivesse sido comprada para ficar calada perante as investigações.

    Tudo pode ser possível nobre baiano!

    ResponderExcluir
  5. Excelente matéria sobre George Reeves (o verdadeiro Superman). Completo, recheado de curiosidades e fotos. Prende a atenção do início ao fim.
    Acabei descobrindo através desta matéria, um blog cheio de assuntos interessantíssimos sobre clássicos, astros e estrelas de uma geração conhecida como época de ouro. Não vejo a hora de poder ler os demais artigos. Parabéns pelo trabalho!!!
    Sou colecionador de clássicos raros e possuo um acervo com mais de 4000 títulos, entre eles as demais temporadas deste seriado do Super Homem com George Reeves (2ª a 6ª) que infelizmente nunca foram lançadas aqui no Brasil. Cópias retiradas dos originais americanos com legendas em português (Brasil) inseridas em cada episódios e extras, mantendo-se os menus originais. Caso tenha interesse em dar uma olhada no acervo, basta entrar em contato diretamente pelo email: cinemadvdnostalgia@gmail.com
    Mais uma vez parabéns pela excelente matéria e por este maravilhoso blog que nos dá hora de lazer e boa leitura!!!
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiano, agradeço por sua participação e pelas considerações. Também sou colecionador e possivelmente faremos negócios em breve.

      Também recomendo aos demais leitores que se interessem em entrar em contato, pois é uma série rara e sei que tem muitos admiradores. Mais uma vez obrigado e um abraço do editor.

      Excluir
  6. Telles,

    Amigo; estou precisando de alguns favores seu e somente por aqui estou conseguindo te falar.

    É tudo meio urgente, pois meu computador quebrou e um infeliz diz que o consertou, embora ele, o computador, siga funcionando quando quer, cheio de problemas, defeitos mil e ainda vou ter de pagar pela droga do trabalho. Pode?

    Olha; Perdi TUDO QUE TINHA, inclusive minha lista de Favoritos, onde constava todos os nomes de blogs onde eu costumava fazer meus comentários e tudo o mais.

    Me envie, por favor, tudo seu, ou seja, o nome de seu blog, seu email para contatos e mais ainda: um colega de nome Cristiano, que fez o ultimo comentário sobre Adam West, ali ele deixou o nome de um blog que não consigo abrir de forma alguma.

    Pode me mandar o blog dele ou dar o meu email para ele falar comigo e nos acertamos.

    Tentei abrir o blog com o nome que ele cita, mas não entrou. E eu estou precisando de 2 filmes que não sei mais onde procurar.

    Veja; se o amigo puder me indicar onde poderia obter os filmes;

    - Adversidade/36, de Le Roy, com F March e
    - Hotel Imperial, acho que de 1946, com Ray Milland, não acharia palavras para a gratidão.

    Preciso URGENTE destes 2 filmes e, até mesmo se o amigo os tiver ou conhecer alguém que os tenha, meus agradecimentos ficarão eternos

    São filmes procurados por nossa querida Sibely.

    E não posso medir esforços para fazer nada por esta fantástica criatura, que conheci por vosso nobre intermédio, fato que agradeço de coração, por ser esta uma pessoa acima de querida e com quem me comunico com constancia.

    Há poucos dias pedi à mesma que me conseguisse um filme de Gary Cooper, que não possuia e amaria ve-lo.

    Sabe o que ela fez? Mandou para mim 11 (onze) filmes do mesmo.
    Responda, caro amigo: posso negar nada que uma pessoa desta estirpe me peça?

    E assim estou correndo atrás destes dois filmes e peço sua ajuda, assim como o nome correto do blog do Cristiano ou mesmo onde eu tenha chances de acha-los.

    Pode me responder por email.

    Grande abraço e agradeço antecipadamente sua resposta, que sei, virá mais que positiva

    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  7. Saudações Baiano! Cheguei mesmo a estranhar sua falta de contato. Vou lhe responder tudo por email, ok? Esta semana vai sair uma matéria sobre....olhe, quem diria...um WESTERN: DUELO AO SOL!

    Vou falar com vc em off, tudo bem?

    Grande abraço do editor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei a matéria, não sabia esta história da vida do George Reeves, isso deixa a gente bem triste. Fiquei muito a fim de ver o Hollywoodland.. Vou atrás. Deve ser legal, adoro filmes assim biográficos.
      Parabéns Paulo, é uma matéria excelente e que homenageia este querido ator que foi tão importante para todos.
      Jurandir querido, obrigada pelas palavras, já me ajudou muito, rsr beijos aos dois amigos. rs

      Excluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo não serão publicados e serão tratados como spam

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE

Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...