quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Beleza Majestosa e Sublime Talento: Eleanor Parker (1922-2013)



"Eleanor Parker foi uma das mais belas mulheres que já conheci, como pessoa também era bela. Eu mal acredito nessa triste notícia, tinha certeza que ela era encantada e viveria para sempre." Christopher Plummer, ator e seu colega em “A Noviça Rebelde”


A Notícia impactou os fãs e saudosistas da Sétima Arte. Eleanor Parker, que havia saído da ativa já fazia mais de 20 anos, ficou fora da mídia, mas não ficou fora do coração de seus fãs e admiradores do cinema. Possuída de uma beleza majestosa, era também uma ótima atriz, e foi indicada três vezes ao Oscar. O Blog vai prestar uma homenagem a esta artista que atuou em muitos filmes nas décadas de 1950 e 1960 e que faleceu aos 91 anos na última segunda feira, dia 9 de dezembro de 2013.


Eleanor Jean Parker nasceu a 26 de junho de 1922, em Cedarville, Ohio, EUA, caçula de três filhos de um professor de matemática e sua esposa. Ela começou a atuar cedo em peças da escola, o que despertou o interesse dela, tão tenro, em se tornar atriz. Aos 15 anos de idade, participou do Teatro de Verão no vinhedo de Martha, em Massachusetts. A ela foi oferecida seu primeiro teste de cinema por um caçador de talentos da 20th Century-Fox, enquanto a jovem participava de uma de suas incursões teatrais, mas declinou do convite porque Eleanor tinha mais interesse em adquirir experiência profissional no palco de Cleveland depois de se formar no ensino médio. Ela mudou-se para a Califórnia para continuar seus estudos de atuação no Pasadena Playhouse.


Um empresário estava sentado na plateia de uma peça que Eleanor participaria no Playhouse, quando ele a convidou para um novo teste cinematográfico, mas desta vez oferecido pela Warner Brothers, mas novamente, teve que declinar, alegando que queria terminar seu primeiro ano no Playhouse.  No ano seguinte, Eleanor foi informada que a Warner Brothers estava oferecendo mais um teste para ela, que acabou por fim aceitando e foi aprovada. Logo, ela foi contratada pelo estúdio, e ela já estava no elenco na obra dirigida por Raoul Walsh (1887-1980) O intrépido General Custer (1941 ), mas sua participação acabou sendo cortada.


Ela foi então lançada em filmes de curta-metragem e dada a ela outras atribuições, praticamente em filmes estudantis, algo que foi capacitando a novata atriz para aprender o ofício, e  mesmo servindo de âncora para outros testes com atores novatos, como ela mesma. Assinando com a Warner, ela foi atuando em pequenos trabalhos e papéis menores até que o estúdio reconheceu sua profundidade dramática e a colocou como Mildred Rogers em 1946 no remake de Servidão Humana (Of Human Bondage). A história, baseada no dramático livro de W. Somerset Maugham (1884-1965) tinha feito de Bette Davis (1908-1989) uma estrela 12 anos antes, na primeira versão cinematográfica do livro. No primeiro dia de filmagem de Eleanor, Davis mandou flores e um bilhete para a atriz "Espero que Mildred faça tanto pela sua carreira como ela fez pela minha.”


Mas o filme fracassou (que ainda teria mais uma versão, em 1964, com Kim Novak), e muito embora Parker estivesse ganhando elogios e indicações ao Oscar até o início da próxima década, sua caraterização como a mundana e meretriz Mildred era fraco em comparação com o desempenho dinâmico de Bette Davis. Destarte, Parker foi novamente relegada a papéis medíocres até que seu desempenho inovador como uma presidiária numa brutal cadeia feminina em A Margem da Vida (Caged), em 1950, rendeu a talentosa e jovem atriz sua primeira indicação ao Oscar.



Ela não ganhou a estatueta dourada, mas ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Veneza. Eleanor também foi indicada no ano seguinte interpretando  a esposa do policial interpretado por Kirk Douglas, que acaba contando um segredo ao marido (sobre aborto, tema considerado um tabu nos anos de 1950) no clássico noir de William Wyler (1902-1981), Chaga de Fogo (Detective Storie), em 1951. Sua terceira e última indicação ao Oscar veio por Melodia Interrompida (Interrupted Melody) um musical dramático baseado em uma história real, e produzida em 1955, onde Eleanor interpreta a cantora de ópera Marjorie Lawrence (1907-1979), que no auge do sucesso foi acometida pela poliomielite. Eleanor confrontou um desafio e tanto ao treinar nove árias em três idiomas, ela se refugiou em uma cabana de Lake Arrowhead durante duas semanas, treinando de oito a dez horas por dia.



Sua carreira totalmente floresceu atuando em filmes de sucesso, como Scaramouche com Stewart Granger (1952), Seu nome e Sua Honra, com Robert Taylor (1951), A Fera do Forte Bravo com William Holden (1953), O Vale dos Reis,  novamente com Robert Taylor (com quem teve um affair), em 1953, e Selva Nua, com Charlton Heston, em 1953.


Eleanor Parker poderia facilmente ter sido indicada naquele mesmo ano por sua interpretação como a esposa que finge ser aleijada de Frank Sinatra (1915-1998) na Obra Prima O Homem do Braço de Ouro,  de  Otto Preminger (1905-1986) adaptado do romance de Nelson Algren (1909-1981). Parker provou ser uma atriz extremamente talentosa e muito versátil. A versatilidade era provavelmente uma das razões por ela nunca se tornar uma estrela de primeira grandeza. Contudo, Eleanor é mais lembrada por grande parte do público, como a Baronesa em A Noviça Rebelde/The Sound of Music (1965).


Apesar do sucesso de A Noviça Rebelde (1965), que foi totalmente atribuída a sensação Nº 1 do então momento,  Julie Andrews,  é provavelmente o papel mais lembrado de Parker no cinema (parte esta que foi, antes, oferecida a Hedy Lamarr).


Ela apareceu em Confidências de Hollywood (Oscar), de 1966, estrelado por Stephen Boyd (1931-1977), como a empresária artística que se torna amante do gigolô e aventureiro interpretado por Boyd. O Filme, dirigido pelo roteirista Russel Rouse (1913-1987), teve um elenco all star, que além de Eleanor e Boyd, também despontaram, Elke Sommer, Jill St John, Broderick Crawford, Joseph Cotten, Ernest Borgnine, e até o cantor Tony Bennett. A revista Playboy maldosamente criticou a atuação de Eleanor (que de fato, teve uma ponta sensual no filme, numa cena de amor com Stephen Boyd), como “uma mulher acabada”, o que nós, fãs desta diva, não concordamos, pois mesmo aos 44 anos de idade, ela era ainda uma mulher muito atraente e bela.

ELEANOR PARKER, no seriado de TV O BARCO DO AMOR, em 1977
ELEANOR PARKER num episódio do seriado de TV HOTEL (1984)

Seu último filme para o cinema foi o criminal A Morte Ronda a Pantera em 1979, estrelada por Farrah Fawcett (1947-2009). Posteriormente, ela apareceu um pouco mais na TV. Participou de várias séries de TV, como O Barco do Amor, Havaí 5-0, Veja$, A Ilha da Fantasia, Hotel, e Assassinato por Escrito.

O último trabalho de Miss Parker foi  Dead on the Money, filme para a TV, em 1991. Desde então se retirou e viveu aposentada e tranquila com sua família em Palm Springs, Califórnia.


VIDA PESSOAL, CASAMENTOS E UM GRANDE AMOR

Eleanor Parker foi casada quatro vezes: com Fred Losee, entre 21 de março de 1943 a 5 dezembro  1944; com Bert E. Friedlob, entre 5 janeiro de 1946 a 10 de novembro de 1953, com quem teve três filhos; Paul Clemens, entre 25 novembro de 1954 a 9 de março  1965, com quem teve um filho; e com Raymond Hirsch, com quem casou em 17 de abril de 1966 e com quem ficou casada até 14 de setembro de 2001, quando ele morreu.

Ela foi mãe de Susan Eleanor Friedlob (nascida em 7 março de 1948), Sharon Anne Friedlob (nascida em 18 de abril de 1950), Richard Parker Friedlob (nascido em 8 de outubro de 1952) e Paul Clemens Jr (nascido em 7 de janeiro de 1958, como Paul Day Clemens). Todos nasceram no condado de Los Angeles, Califórnia.


Em maio de 1950, ela foi escolhida como "Mãe do Ano" pelos floristas americanos. A 6 de março de 1951, Parker teve que abandonar seu leito de doente e fugir com os dois filhos pequenos quando um incêndio em sua casa em Beverly Hills se alastrou. Ela estava na cama com gripe quando foi despertada pelo cheiro de fumaça. Ela levou suas filhas, Susan, com três anos, e Sharon, de um, e deixou a casa em chamas. O incêndio destruiu uma escada e uma parede com  danos que estimaram em US $ 500. Na política, Eleanor era democrata, e sua atriz favorita, era Carole Lombard (1908-1942).


Em 1953, Eleanor conheceu o ator Robert Taylor (1911-1969). Ele já tinha 43 anos, ela, 31. Durante as filmagens de Seu Nome e Sua Honra/Above and Beyond, dirigido por Melvin Frank e Norman Panama, um romance floresceu entre os dois, contudo ambos informaram que nunca se casariam porque Taylor sentia que Eleanor tinha muito de Barbara Stanwyck, sua primeira esposa, e que ele havia alcançado um patamar em que já não necessitava e nem queria uma mulher assim na vida real.


O Vale dos Reis/Valley of the Kings, 1954 e Sangue Aventureiro/Many Rivers to Cross, de 1955, foram outros dois filmes que Taylor e Parker atuaram juntos. Foi durante as filmagens de Sangue Aventureiro que Bob Taylor se casou com Ursula Thiess (1924-2010), atriz e ex-modelo. Eleanor recebeu a notícia com decepção e muita tristeza, uma vez que ainda estava de amores com Bob e nutria esperanças de casar com ele, mesmo que fosse rotulada, pelo próprio ator, como “quase outra Barbara Stanwyck”.


ENTRANDO PARA A IMORTALIDADE

Em junho deste ano, Eleanor Parker foi homenageada pela emissora americana Turner Classic Movies, como a “ Estrela do Mês”, em celebração aos 91 anos da atriz. A 9 de dezembro, Eleanor morreu vítima de pneumonia. Após a sua morte, ela foi prontamente cremada e suas cinzas espalhadas no Oceano Pacífico, conforme seus últimos desejos.



Obrigado, bela e majestosa ELEANOR PARKER, Descanse em paz, com os anjos...como você.

Produção e Pesquisa: 
PAULO TELLES.


FILMOGRAFIA

1941 - They Died with Their Boots On6 (br: O intrépido general Custer)
1942 - Soldiers in White (Documentário)
1942 - Busses Roar
1943 - Mysterious Doctor
1943 - Mission to Moscow (br: Missão em Moscou)
1944 - Between Two Worlds (br: Um Passo Além da Vida)
1944 - Crime by Night (br: Uma Noite Trágica)
1944 - The Last Ride


1944 - The Very Thought of You (br: Pensando Sempre em Você)
1944 - Hollywood Canteen (br: Um Sonho em Hollywood)
1945 - Pride of the Marines (br; Uma Luz nas Trevas)
1946 - Of Human Bondage (br: Escravo de uma paixão)
1946 - Never Say Goodbye (br: Nunca me Diga Adeus)
1947 - The Voice of the Turtle (br: Centelha de amor)


1948 - The Woman in White (br: A Mulher de Branco)
1950 - Chain Lightning (br: A morte não é o fim)
1950 - Caged (br: À margem da vida)
1950 - Three Secrets (br: Três Segredos)
1951 - Detective Story (br: Chaga de fogo)
1951 - Valentino (br: Rodolfo Valentino)
1951 - A Millionaire for Christy (br: Quero Um Milionário)

TOTALMENTE INSINUANTE em SCARAMOUCHE (1952)
1952 - Scaramouche (br: Scaramouche)
1952 - Above and Beyond (br: Seu nome e sua honra)
1953 - Escape from Fort Bravo (br: A fera do Forte Bravo)
1954 - The Naked Jungle (br: A Selva Nua)
1954 - Valley of the Kings (br: O vale dos reis)
1955 - Interrupted Melody (br: Melodia interrompida)
1955 - The Man with the Golden Arm (O homem do braço de ouro)

Com WILLIAM HOLDEN: A FERA DO FORTE BRAVO (1953)
1955 - Many Rivers to Cross (br: Sangue aventureiro)
1956 - The King and Four Queens (Esse homem é meu)
1957 - The Seventh Sin (br: O sétimo pecado)
1957 - Lizzie (br: Desejos Ocultos)
1959 - A Hole in the Head (br: Os Viúvos Também Sonham)
1960 - Home from the Hill (br: A herança da carne)
1961 - Return to Peyton Place (br: De volta à caldeira do diabo)
1962 - Madison Avenue (br: Os Propagandistas)
1964 - Panic Button (br: Suave é o Amor)

Com CHRISTOPHER PLUMMER: A NOVIÇA REBELDE (1965)
1965 - The Sound of Music (br: A noviça rebelde)
1966 - The Oscar (br: Confidências de Hollywood)
1966 - An American Dream (br: Eu Te Verei no Inferno, Querida)
1979 - Sunburn (br: A Morte Ronda a Pantera)
1979 - Hans Brinker
1991 - Dead on the Money


Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...