sábado, 28 de janeiro de 2012

A Saída Polêmica de Pernell Roberts de BONANZA



Possivelmente, Pernell Roberts (1928-2010) não alcançaria a fama que conseguiu se não fosse seu Adam Cartwright na série de TV BONANZA, muito embora comprovasse, através de seus trabalhos na televisão, ser um ótimo ator. Tido como o mais temperamental do cast principal da série, seus reais motivos pela saída de Bonanza podem ser interpretados nos diversos pontos de vista. Mesmo os apelos das fãs (era quem recebia mais carta de fãs, na maioria o público feminino) e dos roteiristas não comoveu Pernell a permanecer na série.

Vamos conhecer um pouco de sua trajetória.



Pernell Roberts nasceu à 18 de maio de 1928, em Wacross, Georgia, EUA. Filho de um vendedor de refrigerantes, tinha temperamento rebelde, e chegou a ser expulso uma vez do colégio e duas vezes da Universidade. Ao voltar a estudar, Roberts formou-se em arte dramática, e participou na montagem de várias peças, apresentando-se em teatros itinerantes. Não demorou muito, uniu-se ao Teatro de Arena em Washington, e posteriormente, chegou à Broadway com a peça The Lovers, ao lado de Joanne Woodward. Roberts conseguiu notoriedade no meio teatral, chegando a ganhar vários prêmios da crítica.




Logo veio convites para fazer televisão e cinema. Estreou na TV em 1956 participando de algumas séries televisivas. Em 1958, estreou no cinema em um filme estrelado por Sophia Loren e Anthony Perkins (1932-1992), Desejo (Desire Under the Elms), dirigido por Delbert Mann (1920-2007), onde interpretava o irmão de Perkins. No ano seguinte, Roberts era o terceiro nome do elenco no western O Homem que Luta Só (Ride Lonesome), com Randolph Scott (1898-1987), e a bela loira Karen Steele (1931-1988), e dirigido pelo especialista Burt Kennedy (1922-2001)*. Nada mal para quem estava começando em Hollywood, e bem possível que foi este último desempenho de Roberts (no papel de Sam Boone, um caçador de recompensas) que fez perceber os produtores de Bonanza para que o escalassem para um dos papéis principais.


Quando recebeu a proposta de interpretar Adam Cartwright, arquiteto e homem de intelecto, filho do rico rancheiro Ben Cartwright (Lorne Greene, 1915- 1987), e irmão mais velho de Hoss (Dan Blocker, 1928-1972) e Little Joe (Michael Landon, 1936-1991), Pernell não se entusiasmou pela idéia. Mas, eventualmente foi convencido a dar uma chance à produção com a qual assinou um contrato de cinco anos. 


O maior problema de Bonanza enfrentado durante a produção não era econômico ou de público, e só conquistou seu espaço definitivo a partir da terceira temporada, figurando entre as 20 maiores audiências até seu último episódio exibido.



Mas Pernell Roberts parecia ser este problema. Desde o primeiro dia de filmagem, o ator começou a criar problemas discutindo constantemente com os roteiristas e produtores, exigindo melhor qualidade e veracidade para com os episódios apresentados. Enquanto sua proposta para com os produtores e a com a equipe em geral não lhe eram atendidas, Roberts resolveu não se dedicar por completo em sua atuação, inclusive sequer decorava suas falas de propósito, precisando de alguém por trás das câmeras para lhe passar o diálogo.


Apesar do “Problema Roberts” para Bonanza, os produtores e diretores encobriam a atitude do ator divulgando seu excelente trabalho na série (o que não deixava mesmo de ser verdade). Entretanto, Roberts continuava irredutível, e costumava dar entrevistas falando mal da série, do seu personagem, e dos produtores. Acreditava ainda, segundo ele, que o personagem e a série o faziam sentir um “maldito idiota”, pois achava Adam um “adolescente de meia idade” que só sabia pronunciar “Yes, Pa, No Pa (sim pai, não pai)”, e que era repugnante tal dialogo para um homem adulto, o que fez se ressentir que, cada vez mais, não esta sendo levado a sério como ator à altura de seu talento. Isto foi o que o ator alegou a imprensa futuramente para explicar sua saída da série.



Em muitos momentos, os executivos da NBC o ameaçaram de processo ou de prejudicar sua carreira impedindo que conseguisse trabalhar como ator novamente, mas nada disso assustou Pernell com o objetivo de mudar sua postura com relação a Bonanza. Tais atitudes só serviram para afastá-lo do elenco que constantemente combinavam reuniões e festas juntos. Até nos intervalos, Roberts mantinha-se longe de seus colegas. Michael Landon , o intérprete de Little Joe e irmão caçula de Adam, não suportava Roberts, desde o momento em que este disse a Landon que ele jamais seria um ator por se deixar influenciar pelos executivos “por ser o mais novo da trupe”, contudo com o tempo, Landon revelou ser mais profissional e dedicado, e com o tempo se firmou como um grande ator televisivo, produtor, escritor, e diretor.


Roberts declarava à imprensa na época, que Bonanza era uma fraude, mostrando uma família unida em uma época cuja sobrevivência era a principal preocupação dos rancheiros, onde a violência era o império. Também declarava que a série deveria tratar de temas mais polêmicos, como a capacidade da mulher em um mundo essencialmente masculino, ou a questão do racismo. Bonanza chegou a abordar, de fato, estes assuntos em algum dos episódios, contudo de uma maneira superficial.


NA VIDA REAL, Roberts foi um defensor dos direitos humanos, e se manifestava frequentemente contra a discriminação racial. Durante a série Bonanza, costumava exigir dos roteiristas, um maior número de personagens da chamada minoria. Em 1965, Roberts participou de uma passeata ao lado de Martin Luther King Jr., em prol dos direitos civis dos afro-americanos realizada em Selma, Alabama.



Em 1963, com a aproximação do final de seu contrato de cinco anos, Roberts deixou claro sua intenção de não renová-lo. Assim, para substituí-lo, foi criado o personagem de um primo dos Cartwright, Will, que foi interpretado por Guy Williams (1924-1989), que fora o Zorro da TV, série produzida por Walt Disney (1901-1966). O personagem foi introduzido ainda durante a presença de Pernell Roberts no elenco, para acostumar o público com a futura mudança. Na história, Adam se casaria e se mudaria do Rancho Ponderosa.


A chegada de Guy “Zorro” Williams foi bem recebida por Lorne Greene, Dan Blocker, e Michael Landon, mas o ambiente ficou ainda mais tenso, isto porque o humanista Roberts provocou novamente a produção ao pedir que a personagem da futura esposa de Adam fosse uma nativa interpretada por uma atriz negra. Tempos difíceis, onde não se sabia ao certo como seria a reação do público ao fato de uma relação inter-racial, mesmo com as lutas dos direitos dos negros em pleno movimento. O certo que, além dos produtores de Bonanza não acatarem esta ideia, tinham medo de provocar uma polêmica em horário nobre pela televisão.


A notícia da futura saída do ator do elenco chegou ao público que se manifestou em massa contra a decisão. Assim, Roberts foi persuadido a renovar seu contrato por mais um ano; mas, no final de 1964, ele anunciou novamente sua saída da série. Apesar das tentativas em fazê-lo mudar de idéia, e cartas de fãs (era quem mais recebia cartas) implorando para ele não sair, desta vez, o ator deixou o elenco de Bonanza, em 1965, sem ter filmado sequer um episódio de despedida. Nos episódios seguintes, Ben (Lorne Greene) comenta a decisão de Adam em estudar no exterior.



Com a saída de Pernell Roberts, naturalmente os produtores temiam pelo futuro da série, pois temiam a reação do público. Como o personagem de Guy Williams havia se casado com a noiva de Adam, decidiram não mais trazê-lo aos episódios seguintes, pois receavam que o público não o aceitasse, culpando-o pela saída de Adam/Pernell Roberts. Entretanto, Guy não voltaria à série de qualquer forma, e isto porque o ex-Zorro da Disney já havia assinado contrato para participar da série Perdidos no Espaço, interpretando o Professor John Robinson, um papel em que, juntamente com Zorro, também seria lembrado.


Com o término da sexta temporada da série, Lorne Greene manifestou pesar pela saída de Roberts do elenco, mas ao mesmo tempo disse que os Cartwright deveriam tirar uma cadeira da mesa e continuar em frente.



Pernell Roberts tentou dar continuidade à sua carreira no teatro e no cinema, mas nesse meio tempo já tinha ganhado a reputação de encrenqueiro. Com isso, ele foi forçado a voltar ao circuito televisivo de participações especiais em séries de TV como A Garota da UNCLE, James West, Lancer, Havaí 5-0, O Barco do Amor, entre outras.



Como dito anteriormente neste artigo, podemos compreender a saída de Pernell Roberts de diversas formas. Ele sempre alegava que não era feliz, mas decerto que fez a felicidade de muitos, que se entristeceram com sua saída problemática. Contudo, gostando ou não de ser o filho mais velho de Ben Cartwright, ele alcançou esta fama, e certamente, a admiração e o carinho dos fãs, que até hoje, o assistem nas reprises de Bonanza pelo mundo afora. Assim, Roberts foi imortalizado.


Ao longo de sua vida, Roberts permaneceu irredutível em sua decisão de nunca mais falar sobre sua experiência com Bonanza, ao que cumpriu fielmente até o fim de sua vida, em 24 de janeiro de 2010, aos 81 anos, de câncer.

*NOTA DE CORREÇÃO: O Western "O HOMEM QUE LUTA SÓ”, estrelado por Randolph Scott e Pernell Roberts foi dirigido por Budd Boetticher (1916-2001), mas escrito por Burt Kennedy (1922-2001), roteirista que se tornaria também diretor de grandes clássicos ao estilo. O Blog e o editor do mesmo agradece ao leitor EDDIE LANCASTER pela correção.

Artigo Escrito com Base em matéria publicada na revista TV Séries, Ano I- Nº 11- Maio de 1998

70 comentários:

  1. Que blog maravilhoso! Vou seguir mesmo! Amo cinema antigo,aqui é minha praia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neve, agradeço seu carinhoso comentário, e vc será certamente muito bem vinda aqui sempre que vier. Forte abraço e um ótimo fim de semana.

      Paulo Néry

      Excluir
    2. Nossa adorei mesmo, sou apaixonada por filmes e os antigos, está de parabens, maravilhoso mesmo, vou seguir.
      Abraço Márcia Marina

      Excluir
    3. Obrigado Márcia, seja bem vinda. Um forte abraço!

      Paulo Néry

      Excluir
    4. parabéns, Paulo.Obrigado pelas informações minuciosas sobre o 'Adam' e sobre Bonanza.
      Curto essa série ha mais de 40 anos e não sabia desses detalhes.
      CÍCERO COUTO

      Excluir
  2. Olá, Paulo. Excelente artigo dissecando o 'Problema Pernell Roberts' em Bonanza e ainda ricamente ilustrado. Parabéns. Assistindo às quintas e sextas temporadas de Bonanza é possível perceber o clima da série e como os roteiros eram concebidos excluindo a presença de Adam Cartwright. E mesmo quando ele estava em cena a má vontade é evidente. O que é lamentável é que Adam só tenha percebido a tendência da série criada por David Dortort quando a série caiu no gosto do público e liderava a audiência. Muitos outros atores abandonaram séries de TV mais longas e até fizeram belas carreiras no cinema, a exemplo de James Garner e Steve McQuenn. O mesmo não aconteceu com Pernell Roberts que, a rigor, não mais obteve o mesmo êxito que tinha como Adam Cartwright. Mas trabalhar em conjunto é assim mesmo. Tem até aqueles quatro jovens de Liverpool, mas essa é uma outra história...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Darci!

      Acho que faltou um pouco de reflexão ao nobre Roberts, não é? como vc bem exemplificou, outros atores oriundos de séries televisivas emplacaram em bem sucedidas carreiras cinematográficas, como McQueen, Garner, e Clint Eastwood.

      Quando Pernell percebeu a situação, já era tarde. Se ele se arrependeu de sua decisão, não se sabe, mas sabemos que até o fim da vida jamais falou sobre o caso e se recusava terminantemente a falar sobre BONANZA.

      Trabalho de equipe é como família. Tem sempre uma ovelha negra (não em todas, Claro!).

      Excluir
    2. adorei , gosto muito do seriado eu era criança quando assisti as primeiras series, hoje eu assistos as reprise e continuo adorando.Marisol

      Excluir
    3. Muito bom este artigo sobre Pernell Roberts.Adoro ver coisas da década de 60.tenho 58 anos e isso tudo me faz relembrar dos tempos lindos da minha vida....BONANZA,PERDIDOS NO ESPAÇO,ZORRO,A FEITICEIRA,JEANE É UM GÊNIO,PAPAI SABE TUDO.....QUANTAS SAUDADES...e o tempo não volta mais...ERA BOM DEMAIS...Amo rever essas série e procurar na internet como foi a vida dos atores.VALEU,VALEU MESMO! PARABÉNS.

      Excluir
  3. Po, legal. Vou seguir este blog. Sou fã de carteirinha de Bonanza, Chaparral, Virginiano,.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Hamilton! Breve teremos por aqui mais destes artigos.Saudações!

      Excluir
  4. Nunca assisti nenhum episódio de BONANZA, mas lembro-me de Pernell Roberts em alguns filmes.

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, caro SAM SPADE, ta na hora de assistir, até porque para conhecer melhor o trabalho de Pernell Roberts, isto claro se despertar em vc interesse.

      Excluir
  5. Parabéns, Paulo. Excelente artigo. Ganhei um presente de um grande amigo, um episódio de Bonanza que parece escrito para atender essas exigências do Roberts.
    Nele, o ótimo vilão convidado, Lee Marvin, descarrega suas frustrações, escravizando literalmente o "Adam", quase que retirando sua "humanidade". Ao reencontrar a família Cartwright, "Adam" chora. Assim termina o episódio, bem diferente dos risos amarelos característicos de tantas séries.
    Falando em Adam, mas agora de Adam West, depois que li teu comentário sobre Vincent Price no blog do Gomes de Mattos, citando "Cabeça de Ovo", fiquei pensando se não temos a mesma paixão pelo cinema e a mente aberta para, com um bom pente fino, encontrar qualidades nos seriados também.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Ivan, seja bem vindo!

      Eu gravei este episódio de BONANZA, onde o saudoso Lee Marvin foi o astro convidado. Realmente, é um episódio marcante que deve ter chamado bastante a atenção do público, devido justamente a esta fragilidade humana de um dos heróis da série, Adam Cartwright.

      Quem poderia imaginar, Ivan, em plena América ainda da década de 1960, com todo machismo americano imperante na cultura, ver um cowboy em pleno choro, mesmo que justifique esta razão?

      Se repararmos bem, os episódios mais sérios de Bonanza que tem em foco o Adam, são os melhores e mais bem redigidos para a série. Gosto muito, por exemplo, do episódio CARAVANA DA ESPERANÇA, onde Adam se apaixona por uma Quaker.

      Gosto do Adam West e da série televisiva do Batman, e de vez em quando participo em comentar no site do Professor A.C.Gomes de Mattos, autoridade máxima de tudo que se escreve sobre cinema aqui em nosso país. Vincent Price então é então a grande legenda do gênero Terror a qual sempre que posso assisto alguns de seus filmes, mas decerto que vim a conhecê-lo quando o assistia as suas participações em séries televisivas, que incluiam além de BATMAN, também VIAGEM AO FUNDO DO MAR.

      Possivelmente, Ivan, devemos ter quase que os mesmos gostos, de maneira que me deixei consumir por séries de TV e filmes antigos e clássicos pela televisão, que incluem também os westerns.

      Volte mais vezes, Ivan. Forte Abraço e um ótimo fim de semana

      Paulo Néry

      Excluir
  6. Boa matéria essa de Pernell Roberts!
    Uma ressalva: O excelente western, O Homem que Luta Só, é dirigido pelo excelente Budd Boetticher e não por Burt Kennedy. Burt foi o roterista desse grande western!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Eddie, agradeço de imenso pela participação e contribuição ao espaço. Budd dirigiu grande parte dos faroestes estrelados por Scott na década de 50.

      A Nota já foi corrigida ao fim do artigo, obrigado mais uma vez.

      Forte abraço e boa semana.

      Paulo Néry

      Excluir
  7. Nota dez para este artigo Paulo. Não preciso dizer que esta lindamente informativo, adoro saber de curiosidades da TV e do cinema.

    Assisti pouco Bonanza, sei que minha vó tem mais conhecimento na série e comprou até um dvd de 50 minutos intitulado "Cabeça Quente". Só vi alguns trechos depois das titulagens, parece mesmo com um telefilme. Vou procurar ver na íntegra depois.

    O dossiê do Pernell Roberts ficou ótimo mesmo!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rodrigo. sempre bom contar com seus comentários. Forte abraço e uma semana produtiva.

      Paulo Néry

      Excluir
    2. Caro Rodrigo preciso falar com sua avó, pois adoro esse seriado, e não sou do tempo da vovozinha, gostaria de saber onde ela adquiriu esse DVD se possivel.
      Obrigado
      Márcia Marina

      Excluir
    3. Voce vai encontrar no site de busca: Eu tenho varios DVD da série Bonanza,é uma raridade pra mim..Sempre asisti essa séria quando tinha meus 12 anos ,isso nos anos 60/70.É uma verdadeira agua com açucar para assistir.

      Soratto

      Excluir
    4. Parabéns pelo trabalho de pesquisa e pelas suas considerações sobre a série Bonanza e tantas outras séries da era de ouro da televisão. Hoje é tudo muito comercial, não se pensa mais em temas como o humanismo e nem se preocupa mais com a Educação das crianças, como acontecia outrora. Hoje o sangue tem que aparecer muito, aquela época, não havia esta preocupação, escondia-se o sangue para não enfeiar a produção. Sangue era cruel demais, insano, pesado e desnecessário se mostrar. Vamos sim lembrar de coisas boas e que poderiam servir de exemplos para os dias de hoje, onde os valores são outros.

      Excluir
    5. João Luiz Taques, seja bem vindo ao espaço e eu que agradeço por sua participação e considerações. Nosso objetivo aqui no blog é justamente relembrar o passado, seja no cinema (a Sétima Arte) e na TV, com suas antigas séries, e entre os quais, BONANZA se destaca.

      Abraços do editor.

      Excluir
  8. Nery;

    Infelizmente eu jamais acompanhei uma série sequer, seja na Tv ou no cinema.

    Casualmente, quando a programação da SKY está fraca, eu vejo um ou outro capítulo desta série, que é muito longa, pois nunca vi nada repetido.

    A respeito do Pernell vos sou sincero em falar que ele nunca foi muito de minha simpatia. Não sei o porque disso. Mas agora meu instinto me diz que eu tinha razão neste sentimento, dado ao que acabei de ler a seu respeito.

    Ele foi um homem fraco de cinema. Quanto ao seu papel na série, ao menos os capitulos que vi, era de mero coadjuvante. Até dava a entender, de fato, e observando-o bem, que não se empenhava muito na sua obrigação, que era interpretar, e nada além disso. O resto dos problemas, caso existissem mesmo, seria de solução de seus superiores e não dele, que ficava, irresponsavelmente, criticando tudo o que lhe abria as portas para um sucesso imerecido.

    Podem encontrar alguma exigencia de minha parte ao ir de encontro às atitudes dele. No entanto, o máximo que ele teria o direito de fazer seria dar uma opinião e nada mais que isto. Ele, como homem, tinha obrigação de fazer o que deveria e com todo o empenho, já que era dali que ele tirava seus ganhos e onde punha sua assinatura para a confecção de um trabalho. E trabalho que ele tinha a obrigação de fazer o melhor, como qualquer empregado o faz, ou deve fazer.

    Ao contrário de fazer, sem interrupções, tantas criticas ao que lhe trazia à baila do sucesso, ao menos para com as mulheres, ele teimava em errar ao ficar pondo criticas severas e eternas em quem lhe abriu as portas para a fama, já que nem bom interprete assim ele era.

    Ele tinha estampa, aparencia, um papel numa boa série, que se não era lá estas grandiosidades, também nao poderia ser melhor, pois se tratava de um episódio de curta duração e que o tempo desta teria que ser repartido com muitos personagens, não havendo tanto espaço assim para ele como achava que precisava e merecia.

    Quanto à loira Karen Steele, que trabalhou em O Homem Que Luta Só, eu a achei muito linda quando vi a fita ultimamente, me cedida pelo amigo Darci. Porém, nunca mais a vi em outro filme. E se o amigo tiver alguma informação a mais sobre esta bela mulher, gostaria que me fizesse ciente, já que a vi desaparecer completamente das telas.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jurandir, realmente o Pernell tinha tudo para ser um grande ator. Simpático ou não, na minha opinião, ele tomou atitudes extremas impensadas.

      Outra coisa que ocorreu agora em meu pensamento é o seguinte: não queria ele, porventura, ser o centro das atenções em BONANZA?

      Ao fazer a pesquisa, queria mesmo entender mais da atitude de Roberts, mas para alguém que estava no começo do sucesso, ele parecia agir como um veterano. Mas no mundo do show business como vc deve saber, Jurandir, tem destas coisas. Tem o ou a “prima-donna” muito persistente nas óperas, e como em toda a equipe de trabalho que se compara à uma “Grande Família”, há sempre uma “Ovelha Negra”, e tristemente, Roberts era esta ovelha.

      Ele viu mais o lado dele, e sua vaidade artística deve ter falado mais alto. Mas há quem comente que ele veio a se arrepender de sua decisão de sair da série, porque ele não conseguiu se firmar em outros trabalhos direcionados no teatro e no cinema, onde realizou pouquíssimos trabalhos graças à sua reputação de encrenqueiro.

      Ao menos, foi fiel em nunca declarar sobre a série desde o dia em que saiu até seu falecimento em 2010.

      Sobre a Karen Steele, tudo que sei até o momento é que ela andou participando de várias séries televisivas depois de suas participações no cinema. Participou nass séries, em AGENTE 86, GUERRA SOMBRA E ÁGUA FRESCA, BONANZA (inclusive), COURO CRU, JORNADA NAS ESTRELAS, FLIPPER, e MANNIX. Sua careira durou até 1974 quando se casou com um médico proeminente. Morreu em 1988, aos 56 anos.

      Excluir
  9. Veja aqui uma correção, amigo Nery;

    Citei no meu comentário que nunca havia acompanhado um seriado nem na TV nem no cinema.

    Erro meu. No cinema não, mas na TV assisti a MacMilan e Senhora, acho que com o Hudson, vi também a séria de Columbos, com Peter Falk e parte de Hawai 5-0, e aquela, que ora me escapa o titulo, com Denis Weaver, onde ele é um policial que persegue bandidos montado a cavalo na cidade de Nova York.
    Forte abraço
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rock Hudosn foi o astro da série de TV O CASAL MAcMILAN, atuando com Susan Saint James.

      Dennis Weaver foi o policial McLoud.

      Abraços meu nobre

      Paulo Néry

      Excluir
  10. wOW... mais uma dessas postagens inspiradas, que colocam em foco algo que nao conhecia em absoluto e que - pela sua forma de escrever, contar, descrever - transform-se em algo interesantíssimo... OBRIGADO! Li do início ao fim e tive que reler pois nao querida deixar nada para er esquecido!!!!! Wow + Wow!!!! Que Blog maravilhoso!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Ricardo do "As Tertúlias". Obrigado pelos calorosos comentários. Abraços e tudo de bom para ti.

      Paulo Néry

      Excluir
  11. Olá, Paulo. Não sou muito fã desse gênero. Mas não tem como ficar indiferente quando se lê um texto tão cheio de paixão. Meu pai é fascinado por estes filmes. Preciso abrir um espaço urgente para selecionar bons filmes do gênero. Precisarei de sua ajuda pra isso. KK. Ok? Um abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Max. Pode contar comigo, estou a disposição. Abraços e obrigado pelo comentário.

      Paulo Néry

      Excluir
  12. De bate-pronto, já te diria, como o Antonio Nahud, que não costumava ver "Bonanza", porque sempre achei muito fraquinho e datado e era meu pai quem gostava de acompanhar este seriado quando, com teu ótimo texto (como sempre), me iluminou a memória e muita coisa da série me veio à mente, como o "bobalhão" filho interpretado pelo tal moço-problema... Meu abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dil, é uma série importante, porque foi a primeira a ser lançada em cores, e a estrutura da série se concentrava em uma família que vivia nos tempos onde lei e ordem apenas tentavam se estabelecer.

      Fico pensando como era para a família americana se reunir e assistir a BONANZA se imaginando viver como eles e naquele período. Era um fato normal, e fez sucesso.

      Foi a segunda série televisiva que mais durou na TV mundial, durou 15 anos. Só perdeu para GUNSMOKE, estrelado por James Arness que durou 20.GUNSMOKE hoje perde para OS SIMPSONS, que alavanca como a série que mais tem durado na TV.

      Quanto a Roberts e seu Adam, não o via como um bobalhão, mas parecia mesmo um peixe fora d'agua. Via até como alguém mais equilibrado do que os dois irmãos e o pai. Há um episódio chamado O PASTOR DA VIOLÊNCIA em que ele desafia autoridade do pai por este querer expulsar a violência um grupo de posseiros em suas terras.

      Abraços, meu nobre.

      Paulo Néry

      Excluir
  13. Grande Paulo, Como vai?
    Mais um fantástico Post...

    Embora eu não conheça essa série Bonanza, alias não conheço mesmo série antiga alguma, o texto como sempre é ótimo, claro e informativo, Parabéns.

    Estou pegando seu selo e vou cola-lo em meu Blog pois obviamente que esse eu sempre tenho o prazer de divulgar...

    Grande Abraço, e espero suas visitas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Jovem Jefferson!

      Agradeço sua visita, e sua divulgação. Se vc tiver um selo também (ou fizer) me avise por favor para que adicione em minha ala de parceria, certo?

      Abraços, meu nobre!

      Paulo Néry

      Excluir
  14. Ola querido amigo,como não ando muito em casa ultimamente e não costumo levar meu "leptop",entrei numa LanHouse só para conferir o que anda acontecendo no meio da blogosfera.Seu post como sempre Excelente e com muita informação desconhecida para mim.Vou ver tudo com mais atenção quando chegar in"home sweet home"e poder comentar com mais propriedade.Abrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá minha amiga com voz de ouro...
      Satisfação em te ver aqui novamente. Também tenho acompanhado de imenso seu blog, e como sempre, cativantes novidades que vc esta a prestigiar tanto amigos quanto leitores em geral. Abraços, com saúde e paz sempre.

      Paulo Néry

      Excluir
  15. Paulo, nunca assisti a nenhum episódio da série Bonanza, mas foi interessante saber a história da polêmica saída de Pernell Roberts dessa série cult. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi muito problemática mesmo, Gil. Mas como vc bem disse, é uma série cult, que por traz de tanto sucesso houve evidentemente seus problemas no cast. Abraços, Gil.

      Paulo

      Excluir
  16. Gosto muito de Bonanza e, graças a um link colocado na comunidade da série no Orkut, cheguei a este belo texto. Você está de parabéns, Paulo, excelente e informativo e completo esse pequeno dossiê sobre o eterno Adam! Vou checar o resto do site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Filipe! Fique a vontade e obrigado pela sua participação. Um forte abraço!

      Paulo Néry

      Excluir
  17. Excelente!!! Agora posso explicar para meu pai que é grande fã de Bonanza como Adam (Pernell Roberts) saiu da serie. Muito bom parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Assisto Bonanza pelo canal de assinatura e confesso que gostaria de poder ter a companhia de meu pai assistindo junto a mim...
    Muito obrigada...
    Parabéns pelo blog,ok?...
    Wania

    ResponderExcluir
  19. maria thereza de barros camargo27 de julho de 2012 17:01

    Para situar este comentário no tempo, digo que estamos hoje em julho de 2012. Estou revendo a série Bonanza no canal TCM de TV paga. A qualidade da série me atraiu para revê-la e exatamente estou nos capítulos em que Pernell Roberts já havia saído do grupo. Foi pena ele não ter seguido junto com o grupo. Era bom intérprete. Sua ausência é sentida, mas a séire se manteve no mesmo padrão de qualidade que classifico de ótima.
    Quero aqui comentar em termos psicológicos sua decisão e ver se aprendemos algo com ela: quem não está contente consigo mesmo sempre encontra uma razão - legítima ou dantasiosa - para sair, mudar, confiante em que a mudança possa lhe permitir encontrar sua paz. Mas a paz só é encontrada dentro de cada um, jamais fora de nós. Uma boa maneira de alcançar satisfação é "nunca querer ter razão, e simplesmente só querer ser feiz". E para sermos felizes no nosso desempenho humano não é somente procurar fazer o que gosta, advogado e sustentado por muita gente como a 'receita perfeita' para 'se dar bem' no trabalho, ou no quew esteja fazendo, mas em verdade o melhor é "gostar do que faz" seja o que for que estejamos fazendo ou tenhamos aceito fazer.
    Lembre-se você que me lê: quando algo ao seu redor não o agradar procure mudar você como esteja fazendo o que faz pois QUANDO EU MUDO EM MIM O MUNDO MUDA PARA MIM! Assim fazendo podemos, na mioria das vezes, encontrar nosso bem estar, nossa felicidade, NOSSA PAZ!

    Atenção gente! Vou repetir:

    QUANDO EU MUDO EM MIM O MUNDO MUDA PARA MIM! Seja feliz você onde quer que esteja. A Felicidade é sua. Você a põe onde você a quer. Prefira pô-la junto de você. Paz e bem!
    Só aceite ser feliz todo o tem´po. Recuse migalhas e felicicidade para você é você quem faz MUDANDO EM VOCÊ PARA O MUNDO MUDAR PARA VOCÊ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coisas lindas, que prazer de ler. Amo muito TV, apaixonado pelas séries, comecei em frente a um televisor em preto e branco, aquela musica tema e a sala cheia, meu avo na cabeceira da mesa, meus cinco tios e minha avó, todos preparados para assistir Bonanza, isso nos anos de 1968, meu Pai era o mais velho dos irmãos, gostava do Adam, Pernell Roberts, cada um se identificava com um "deles" adimirava a rapidez de Pequeno Joe (Michael Landon ) mas o que eu mais gostava era do Hoss (Dan Bloker) pois era muito bom de coração e sempre disposto aos amigos "nos" e foi o primero a ser recolhido pelo Senhor, na vida real.
      Acho que o Amor sempre prevalece e não entendo muito bem a mentalidade do Americano,não tem apego, sentimento. Ora, Pernel deveria refletir como nós latinos, agradecido do papel que possuia, os milhoes de seguidores, mas não dão valor ao "prato que come", faltou sabedoria.
      O que mais me empolga em Bonanza, são as histórias, a exemplo do mundo de hoje, acontece todo dia ambientadas no mundo moderno.
      Hoje revejo no TCM, lembrando os bons tempos de 1968 até 1979, quando a série sumiu e agora se encontra na 6ªTemporada. VITOR GALATI

      Excluir
  20. Sempre assisti o seriado Bonanza, isso nos anos 60/70 e até o fim da série.

    só gostaria de me informace qual foi o último capítulo apresentado.Nunca consegui assistir esse. Também um otimo seriado.O Homem de Virginia.( The Virginian ).obrigado

    Soratto

    ResponderExcluir
  21. Amei o blog, maravilhosa postagem! vou seguir, com certeza! kkkkk bem que eu tinha dito uma vez á minha mãe "esse Pernell tem cara de ser encrenqueiro" agora tenho minhas certezas! parabéns aí pelo blog, de verdade!

    ResponderExcluir

  22. Oi,queridos amigos de BONANZA.
    Eu respeito o comentário de cada pessoa,q não gosta do seriado,mas indiscutìvelmente,todos os seriados foram ótimos,
    Perdidos no Espaço,Viagem ao fd do Mar,Combate,O Homem de Virgínia,e tantos outros,mas como BONANZA,não existe nenhum outro que supere,tanto que até hoje,PONDEROSA,BEN,ADAM,HOSS e JOE estão vivos em nossos saudosos corações,e Adam mesmo sendo turrão,encrenqueiro,implicante,criador de problemas,foi
    aquele que ao falecer,para mim deixou a saudade maior,embora
    eu amasse à todos igualmente.Nunca os esquecerei!


    ResponderExcluir
  23. Olá. Boa noite.
    Sou fã de filmes e series antigas, Achei teu blog espetacular. Tive uma grande surpresa, ao ver um de meus desenhos publicado por aqui. Fico muito agradecido pela gentileza.
    Um abraço.
    Jorge Bohaczuk.

    ResponderExcluir
  24. O problema é Pernell julgava-se melhor do que realmente era. Humilhava colegas, convidados da série, ficava de costas para todos no momento dos intervalos das filmagens, etc. O que aconteceu?Ficou no ostracismo por 9 anos.Foi castigado pela sua falta dr profissionalismo.

    ResponderExcluir
  25. Foi uma pena Pernell não soube aproveitar seu talento seu carísma, ele tinha um legião de fãs que o amavam mas parece que não importou com isso. Deus que o tenha, mas mesmo assim contiamos amá-lo.

    ResponderExcluir
  26. REALMENTE FOI UMA SÉRIE MAGNIFICA , EU ADORAVA VER ESTE FILME REUNIA A FAMILIA NO FIM DA TARDE PARA ASSISTIR A SÉRIA, QUE TEMPOS BONS.

    ResponderExcluir
  27. Tenho 38 anos, mas agora que comecei assistir pra valer as séries de Bonanza e percebi que elas são realmente boas. Gosto muito da lealdade, cumplicidade, respeito e o modo que tratam as questões os Cartwright. Acho "Hoss" muito engraçado. Todos os Cartwright foram excelentes atores, assim, como Pernell Roberts. Algo que chama a atenção é a forma justa que tratam as questões (mesmo com as mortes, realidade da época, pois todos andavam armados - não só os Cartwright).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor Cesar, BONANZA foi uma série inovadora, não tratava-se apenas de um "bang bang" como muitos gostam de tratar o gênero western. Claro que hoje não faz sucesso entre a maioria dos jovens que passam a conhecê-lo em sua exibição na TV a Cabo, contudo quando alguns destes entendem o significado e a mensagem de muitos destes episódios, tenho que me admirar com a ótica e o entendimento que possuem ao assistir a série. Agradeço sua visita e participação, Professor, volte sempre. Abraços do editor.

      Excluir
  28. Acacio Filho 27 de julho de 201327 de julho de 2013 10:41

    Bonanza indiscutivelmente o melhor filme da epoca e dos dias de hoje as autoridades que governa este pais devia focar neste filme que passa de segunda a sexta no horario de 20:00 horas no canal fechado da TCM,esses politicos tem que entender o significado das mensagens honestidade lealdade respeito ao ser humano,assim como hoje naquele tempo os bons eram perseguidos mais eles sempre procuravam a justiça,sobre o atos Pernell Roberts o Adam de ter deixado o seriado me deixou muito triste porque eles formavam uma bela familia

    ResponderExcluir
  29. AMEI A RESPORTAGEM SOBRE A SAIDA DE ADAM (BONANZA) MAS COMO DIZ NO DITADO POPULAR, SEMPRE TEM UMA OVELHA NEGRA NA FAMILÍA, MAS ERA E SERÁ SEMPRE UM FILME INESQUECÍVEL, AMEI TODOS OS PERSONAGENS, E INCUINDO TODOS OS SERIADOS ANTIGOS DA TV, QUE HOJE EU ASSISTO PELA TV A CABO (TCM) E RECORDO OS MEUS TEMPOS BONS E PARABENIZO PELO AUTOR DA REPORTAGEM E POR TER POSTO O BLOG, PELA QUAL ME INTEREI SOBRE A SAIDA DE PERNALL ROBERTS.
    UM GRANDE ABRAÇO E OBRIGADO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço sua participação Shirley. Abraços nobre do editor.

      Excluir
  30. Fiquei surpreso com esse blog. Sou cinéfilo e entre séries e filmes (de qualidade) tenho mais de 700 no pc. Porém tenho dificuldades de arranjar sites com "filmes com Legenda" para buscar filmes antigos e as séries de Bonanza e Zorro com Tonto. Parabens ao blog! Giba

    ResponderExcluir
  31. Agora sei o que aconteceu com(PERNEL ROBERTS) o ADAM do seriado de bonanza, por favor deem um jeito de colocarem a temporada com ele .REJANE.

    ResponderExcluir
  32. Acho que sem Pernell , BONANZA nunca mais seria o mesmo... :( Gosto da série sobretudo porque ele está lá. rs Sempre fui apaixonada pelo home das roupas pretas, rs Não sabia de nada disso, mas na verdade ele sempre demonstrou nas telas sua forte personalidade. Amo isso.

    ResponderExcluir
  33. Gostei muito de ler esse documentario. Amo Bonanza até hoje. Esse Pernel , nunca me enganou. Seu rosto e, seu tipo sempre transpareceram sua prepotencia, arrogancia. Pra mim, nao fez falta nenhuma pois nao simpatizava com o ator

    ResponderExcluir
  34. A saída desse Pernell , nao fez nehuma diferença pra mim. Ja via um ar de arrogancia e prepotencia nele. Um desajustado que nao soube aproveitar a chance que a vida lhe deu

    ResponderExcluir
  35. Acho que a saída de Pernell pode ser avaliada de várias formas, caro Kal, independente se vai com a cara dele ou não. Só acho que deveria ter sido honesto com ele mesmo se não se sentia a vontade na série e simplesmente seguir seu rumo. Mas Pernell, apesar de todos os problemas que criou na série, não tem como não reconhecer que foi um dos grandes responsáveis pelo sucesso de BONANZA.

    ResponderExcluir
  36. Gostei do site e vou divulgá-lo...me remeteu aos bons tempos qdo conheci a TV branco e preto, à época da inocência, da adolescência...boas lembranças, Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço a visita e seus comentários. Grato mesmo pela divulgação e boas vindas do editor.

      Excluir
  37. Por que não está mais passando o seriado?
    Amo demais esse seriado e sinto muita falta. Sinceramente meus finais de semana perderam a graça sem BONANZA. Gostaria muito de assistir desde o começo. Tenho 50 anos e bonanza faz parte de minha vida. Espero ter a oportunidade de voltar a assistir. Marinilda Francisca de Lima.

    ResponderExcluir
  38. Sempre gostei muito desse seriado , e adoraria muito que voltasse a ser exibido na TV , assim como muitos outros da mesma época , tpo da minha infância. Bonanza meu seriado preferido , amei a matéria .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Denise. BONANZA andou reprisando no canal por assinatura TCM, e a Classicline lançou alguns episódios em DVD. Saudações do editor.

      Excluir

NOTAS DE OBSERVAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DE COMENTÁRIOS.

1)Os Comentários postados serão analisados para sua devida publicação. Não é permitido ofensas ou palavras de baixo teor. É Importante que o comentarista se identifique para fins de interação entre o leitor e o editor. Comentários postados por "Anônimos" sem uma identificação ou mesmo um pseudônimo não serão publicados e serão tratados como spam

2)Anúncios e propagandas não são tolerados neste setor de comentários, pois o mesmo é reservado apenas para falar e discutir as matérias publicadas no espaço. Caso queira fazer uma divulgação, mande um email para filmesantigosclub@hotmail.com. Grato.

O EDITOR


“Posso não Concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dize-la”

VOLTAIRE

Outras Matérias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...